Início » Hora é de enxugar

Hora é de enxugar

by Portalagora

Batendo Bola

José Carlos de Oliveira

jcqueroviver@hotmail.com.br

 

Hoje tem reunião na sede da Fifa, em Zurique, na Suíça, para tratar de mudanças na Copa do Mundo de Futebol, a partir de 2026. Mais de 200 países vão opinar sobre qual o novo formato deve ser seguido. A ideia dos homens que comandam o futebol mundial é aumentar para 48 países – 16 a mais que os atuais 32 –, o número de participantes do maior torneio de futebol do planeta. Esta deve ser a proposta a ser apresentada pelo atual comandante da Fifa, Gianni Infantino.

É! Não tem mesmo o jeito. O cara só herdou a presidência da entidade porque seus antecessores estavam afundados até o pescoço na lama da corrupção e ainda me vem com esta ideia estapafúrdia. Seria o cúmulo da “picada” querer aumentar o número de países participantes do mundial.

Financeiramente (principalmente para o lado da toda poderosa Dona Fifa), seria sempre uma ótima. As receitas seriam infinitamente maiores. Mas tecnicamente seria um autêntico desastre. Iria é abrir a porta para que seleções sem nenhuma qualidade participassem do torneio.

Só para se ter uma noção exata desta proposta indecente – que deve ser defendida em bloco pelos integrantes da Conmebol, entre eles o Brasil –, ela daria seis vagas e meia para a América do Sul. Ou seja, quase todos os países estariam garantidos no mundial. Os caras só olham mesmo para o próprio umbigo. Onde já se viu lutar para ter sete países classificados num torneio onde somente 10 estão na disputa. É achar que todos são imbecis, mesmo.

Aí teríamos de engolir seleções sem condições de disputar qualquer regional do Brasil participando de um mundial. Eles deveriam era diminuir para 24 seleções, ao todo, abrindo chance para se qualificar ainda mais a competição. Esta, sim, seria uma grande ideia. Aumentar, jamais!

 

Mudanças nas eliminatórias

 

Fala-se também em mudanças no atual formato das eliminatórias nas Américas, com a união entre a Concacaf e a Conmebol. Esta, sim, é uma boa pedida. Iria valorizar em muito o torneio nas Américas.

Não sei bem como isso poderia ser feito. Mas esta ideia seria bem mais interessante, tanto técnica como financeiramente, e todos sairiam ganhando.

 

MANGUEIRAS BRASIL

 

Mercado da bola

 

A nova regra de responsabilidade que está valendo para o futebol brasileiro, com os clubes não podendo gastar mais que suas receitas, sob pena de serem punidos, tanto esportivamente (com o rebaixamento) como criminalmente (com a prisão de seus dirigentes), está forçando a uma mudança radical nos moldes das contratações em todo o Brasil neste início de temporada. Ninguém está disposto a fazer loucuras e comprometer todo o trabalho, não. E muito menos a ir para a cadeia, é claro!

Antes os dirigentes faziam o que bem entendiam. Compravam jogadores já sabendo que não teriam como pagar a conta e ficava tudo por isso mesmo. Como não tinham a quem responder, eles não estavam nem aí para seus atos. As novas regras forçaram os clubes a adotar novos critérios.

E o resultado é o que estamos vendo. O número de contratações caiu para bem menos da metade. Todos os anos, os clubes anunciavam uma autêntica “barca” no início de temporada e, depois, tinham de se virar com atletas que faziam apenas número, sem nunca ser realmente um reforço.

Agora, não. O buraco é bem mais embaixo. Comprou, tem de pagar. Simples assim. Não dá mais para fazer apostas. Dirigente que não for maluco vai agir sempre na certa. O tal de reforço pontual estará sempre em primeiro plano e na ordem do dia.

 

Cruzeiro se reforçou bem

 

Só para se ter uma ideia, entenda o seguinte: tirando por base o Cruzeiro, de Belo Horizonte, no ano passado, o clube anunciou uma penca de jogadores no início da temporada e a grande maioria apenas engordou a folha de pagamento, retorno nenhum dando nos gramados. Um prejuízo aos cofres do clube, que deveria ser debitado era aos seus dirigentes.

Agora, não, tudo está sendo diferente. A Raposa só anunciou quatro reforços – Diogo Barbosa, Luís Caicedo, Hudson e Thiago Neves – e apenas com o equatoriano teve de desembolsar algum dinheiro. Com os outros, o clube não gastou um centavo sequer, além do que lhes ofereceu como contrato.

Um caminho que, a partir de hoje, deve ser comum a todos, e não apenas uma exceção.

E olha, que os tais reforços pontuais caíram bem mais no gosto da torcida, melhor que as dezenas que chegavam a cada ano. No papel, a Raposa deu um tiro mais do que certo. Se os jogadores vão ou não corresponder às expectativas, já são outros quinhentos.

 

Com Moreno, não é diferente

 

E dentro da nova política, a diretoria do Cruzeiro joga pesado com o boliviano Marcelo Moreno. O jogador nunca se cansa de declarar seu amor ao clube e a sua vontade de voltar para Minas Gerais. Pois bem, agora ele terá a oportunidade de provar isso.

Já sem compromisso com o futebol chinês, Moreno está livre para acertar com outro clube. Há mais de um mês, ele tem em mãos a proposta do Cruzeiro, que quer a sua volta. Mas o clube fez a sua proposta e não pretende aumentá-la. Aceitar ou não é responsabilidade única dele. Gilvan já garantiu que, se Moreno abrir mão de receber luvas, ele será mais um reforço. Se não, ficará apenas na vontade.

E este tem mesmo que ser o caminho. Não dá para gastar o que não se tem!

você pode gostar

DEIXE UM COMENTÁRIO

O Portal de Notícias Jornal Agora é a fonte de informações mais confiável e abrangente para a nossa comunidade. Com foco exclusivo em acontecimentos que afetam diretamente nossa região, oferecemos uma visão única e aprofundada dos eventos locais, mantendo os residentes informados e engajados.

Notícias Recentes

Veja Também

@2024 – Todos os direitos reservados. Projetado e desenvolvido por @lethiciamauridg

-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00