Início » Exame de criança que morreu na UPA revela positividade para chikungunya

Exame de criança que morreu na UPA revela positividade para chikungunya

Família ainda aguarda exumação dos corpo para novos testes

by JORNAL AGORA

Da Redação

Thallya Beatriz, de apenas 4 anos, morreu na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Divinópolis, no dia 26 de abril deste ano. Desde então, a família cobra esclarecimentos sobre a causa da morte. O Agora divulgou com exclusividade nesta segunda-feira que o exame testou positivo para chikungunya. A informação também foi repassada à família, que aguarda o aval da Justiça para exumação do corpo. 

Relembre

Thallya morreu em abril deste ano em meio a crise na Saúde de Divinópolis. A Prefeitura realizou uma sindicância e disse que não houve erro médico. A família da menina contesta a versão.

No relatório, a sindicância da Secretaria de Saúde (Semusa) aponta não ter identificado conduta negligente da médica assistente. No entanto, pelo princípio da “boa-fé”, recomendou o encaminhamento do caso ao Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM).

— Oportunamente, a Semusa reforça o compromisso com a transparência nos processos e manifesta o desejo de que a elucidação técnica e imparcial do ocorrido tranquilize não só as partes envolvidas, mas também toda a população de Divinópolis — ressaltou.

Cronologia

De acordo com a sindicância, “os profissionais médicos que atenderam a menor se valeram de todos os meios disponíveis naquela unidade para elucidação dos sintomas relatados.” No primeiro atendimento, realizado no dia 24 de abril, os exames de urina, sangue e RX não apontaram para nenhuma anormalidade.

— Merece destaque o fato de o registro de atendimento realizado na referida data demonstrar uma anamnese diligente e um exame físico bem criterioso. Ademais, a médica assistente orientou retorno em caso de intercorrências e encaminha a criança à Estratégia Saúde da Família para acompanhamento médico assistencial e para extensão de propedêutica — acrescentou.

Dois dias depois, a paciente voltou à unidade, onde sofreu uma parada cardiorrespiratória.

— (…) o que exigiu que toda equipe médica se desdobrasse nas manobras de ressuscitação, não foi possível realizar exames físicos e laboratoriais — informou.

Por fim, relatou que a médica solicitou a realização de necropsia para elucidação do caso, no entanto a Polícia Civil (PC) informou que o procedimento é realizado apenas em mortes violentas.

você pode gostar

DEIXE UM COMENTÁRIO

O Portal de Notícias Jornal Agora é a fonte de informações mais confiável e abrangente para a nossa comunidade. Com foco exclusivo em acontecimentos que afetam diretamente nossa região, oferecemos uma visão única e aprofundada dos eventos locais, mantendo os residentes informados e engajados.

Notícias Recentes

Veja Também

@2024 – Todos os direitos reservados. Projetado e desenvolvido por @lethiciamauridg

7 edição - agora gastronomia
Abrir bate-papo
Fale com nosso time comercial
Olá!
Podemos ajudá-lo?
-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00